São muitos os mitos sobre infraestrutura como serviço (IaaS). Apesar disso, de acordo com a consultoria Statista, em 2015 este modelo de computação em nuvem movimentava 16,2 bilhões de dólares ao redor do mundo e deve chegar a 2020 com um volume de negócios em torno de 72,4 bilhões.

Neste artigo, resolvemos desmistificar algumas crenças sobre a infraestrutura como serviço (IaaS). A ideia é mostrar que não é mais preciso se abster das vantagens deste modelo de aquisição e utilização de recursos tecnológicos, pois ele já se consolidou e tende a expandir suas vantagens para os negócios.

Acompanhe!

Mitos sobre infraestrutura como serviço (IaaS): 1. Ter infra na nuvem não é seguro

A segurança dos dados continua a ser o principal desafio para as empresas, com a integridade de dados e os riscos de acesso sendo temas recorrentes.

Como outras tecnologias, nuvens públicas e privadas possuem controles de privacidade e segurança para assegurar um acesso legítimo aos dados. No entanto, os especialistas admitem que pode haver alguns riscos associados à migração para a nuvem.

No final do dia, porém, trata-se de gerenciar esses riscos, assim como você faria em uma infraestrutura tradicional.

Não há como negar que você precisa ter sistemas e processos sólidos para proteger seus dados. Mas uma vez que isso é feito, a maioria das empresas descobre que as outras vantagens de mover-se para a nuvem superam o risco de segurança .

Mito 2. Mover a infra para a nuvem é problemático e oneroso

Alguns CIOs consideram o movimento para a própria nuvem como um fator limitante, tanto em termos do incômodo quanto dos custos envolvidos. Para muitos deles, atualizar sistemas existentes parece ser uma opção melhor do que migrar para um novo ambiente.

E, embora isso possa ser verdade no lado do custo em situações específicas, há algo a ser dito sobre a escalabilidade e a redução do custo total de propriedade que a nuvem fornece ao longo dos anos.

Além disso, a parceria com um provedor de serviços experiente pode garantir uma migração rápida com o menor tempo de inatividade.

Mito 3. Recursos e serviços na nuvem são uma moda passageira

Apesar da nuvem estar em alta há algum tempo, ainda há muitos que acreditam que é uma moda, uma tendência.

Mas os relatórios de analistas líderes como Gartner, Forrester, Statista e outros prevêem que o mercado global de infraestrutura na nuvem (IaaS) passará de 72 bilhões de dólares até 2020.

De fato, as aplicações em nuvem representarão 90% de o tráfego de dados móveis em todo o mundo até 2019. O que começou com aplicações periféricas, como email, despesas etc., agora passou a suportar aplicativos de negócios principais, incluindo aplicativos sensíveis como CRMs, por exemplo.

Todas estas são indicações de que a infra como serviço está aqui para ficar e quem ignorar isso tenderá a ter desafios ainda maiores num futuro próximo.

Mito 4. Infraestrutura como serviço (IaaS) é apenas para empresas de tecnologia

O uso de tecnologias da nuvem não tem nada a ver com ser uma empresa de tecnologia você mesmo. Qualquer empresa em qualquer mercado vertical, independentemente do tamanho, pode usar a nuvem para executar aplicativos diversos, de CRM a ERPs, de bancos de dados a servidores.

Se sua empresa contar com um parceiro de tecnologia confiável, poderá se beneficiar largamente da infraestrutura como serviço (IaaS).