À medida em que o ritmo dos negócios aumenta, os gestores de bancos de dados e infra de TI, em geral, têm seus desafios aumentados.

Eles precisam oferecer serviços de TI novos, seguros e econômicos que atendam aos requisitos de negócio em tempo hábil e com máxima qualidade. Como resultado, muitos se voltam para serviços em nuvem, Internet of Things (IoT) e tecnologias de mobilidade corporativa. Mas também sabem que precisam implementar e gerenciar essas tecnologias, não basta apenas adotar e se afastar.

Neste movimento, o papel da TI está mudando dramaticamente. Enquanto os gerentes de tecnologia eram anteriormente focados em manter as luzes acesas, hoje eles precisam ser capazes de habilitar o negócio.

Chegamos em 2018 e os desafios tendem a aumentar ao mesmo tempo em que recursos e serviços tendem a se tornar mais fáceis de adquirir, implementar e gerenciar.

É isso que o Gartner, maior organização global de pesquisas em TI, discute em suas tradicionais resoluções de início de ano.

Neste artigo, vamos refletir um pouco sobre as “10 tendências com impacto na infraestrutura e operações” discutidas no Gartner CIO Symposium e ITxpo em Orlando recentemente.

Acompanhe!

O que diz o Gartner sobre gestão de infra de TI em 2018?

Ao delinear as principais tendências e desafios da infraestrutura de TI para os gerentes dos centros de dados na conferência do Gartner em outubro, David Cappuccio, vice-presidente de pesquisas do Gartner, observou que a forma como a TI toma decisões hoje terá um grande impacto no futuro.

“Conhecer as tendências que podem nos ajudar ou nos prejudicar mais tarde, é a chave”, disse Cappuccio. Se os departamentos de TI podem se antecipar à curva, “eles podem ajudar a habilitar o negócio em andamento”.

Cappuccio resumiu as principais mudanças no papel da TI e as novas prioridades para os gerentes infra enquanto navegam neste novo mundo de multi-cloud, multi-provider, com ambientes inteligentes e móveis.

Segundo ele, estas foram suas recomendações para se manter à frente das principais tendências em 2018 e agregar valor ao negócio:

  • a localização tornou-se um fator chave no planejamento do desempenho da carga de trabalho, segurança de dados e gerenciamento de infraestrutura. Como resultado, muitas organizações estão examinando o planejamento de carga de trabalho geoespecífica;
  • à medida que o número de dispositivos em redes empresariais se multiplica, faz sentido deslocar o poder de computação para a borda da rede e mais perto de onde esses dispositivos residem. “A capacidade de coletar análises de certos sensores conectados ao IoT também pode ter sentido para a computação de ponta, onde o volume de dados e a necessidade de informações em tempo real são fundamentais”;
  • embora a TI não se considere responsável pela satisfação e pela experiência do cliente, ela é “facilitadora” dessas coisas, enfatizou Cappuccio;
  • nunca foi tão importante  ter uma equipe e as ferramentas para identificar cargas de trabalho e identificar desempenho, configurações e ciclos econômicos, como será a partir de 2018;
  • “pare de pensar na TI como um fornecedor de ferro”, aconselhou David Cappuccio. “Hoje a TI fornece serviços”;
  • “a entrega de infraestrutura é baseada em requisitos de negócios, mas também é baseada no ecossistema de parceiros. Você não pode fazer tudo isso a menos que tenha um orçamento enorme”;
  • “a TI como você conhece acabou”, advertiu Cappuccio. “O modelo de TI estendido é o novo normal”;
  • comece a investigar o valor da rede baseada em intenções para o negócio. Embora hoje esse trabalho possa ser exploratório, em breve se tornará fundamental. “Avançar, à medida que os ambientes se tornem mais complexos, será um requisito primordial”, previu o especialista.

Que tal, você está preparado para os desafios da infra de TI em 2018? O que achou das resoluções e estimativas do Gartner? Deixe seu comentário!