As métricas de TI são indicadores (KPIs) utilizados pelos gestores dos departamentos de tecnologia. Elas servem para facilitar a identificação de como as políticas operacionais e de gestão impactam nos resultados do negócio.

Também é correto afirmar que as métricas de TI ajudam a demonstrar aos executivos de negócios os resultados alcançados pelo departamento de TI. E, em última análise, auxiliam na gestão de desempenho dos profissionais que atuam na área.

Neste artigo, você vai ver quais são as principais métricas que devem ser acompanhadas de perto pelos gestores de TI.

Acompanhe!

1. Métricas de TI para ficar de olho: Uptime

O índice de uptime nada mais é do que o índice de disponibilidade das aplicações tecnológicas. Quanto maior o uptime, maior é o desempenho do ambiente de TI.

Afinal, para que as operações de negócios sigam com as taxas de produtividade e com a segurança ideal, é preciso que elas estejam sempre disponíveis.

Em geral, convenciona-se que um uptime de 99% é o ideal. Para isso, é importante que o time de TI trabalhe com métodos e disponha de ferramentas de alta performance para garantir disponibilidade e desempenho.  

2. Tempo médio de atendimento do service desk

Um outro indicador muito importante para os times de TI diz respeito ao tempo médio que os profissionais de service desk levam para atender aos chamados dos usuários. Quanto mais rápido é o atendimento, e a resolução do problema, melhor é o desempenho da TI.

É por isso que mais e mais empresas têm trabalhado com fornecedores que assumem o monitoramento das aplicações e o suporte aos usuários.

Empresas especializadas tendem a ter equipamentos melhores e equipes mais preparadas para uma atuação proativa, o que potencializa os resultados.

3. Índice de bugs

Os bugs, ou seja, as falhas técnicas, são muito normais em uma operação de TI. Quanto mais complexa for essa operação, maiores são as chances de acontecerem bugs.

Cabe ao time de TI trabalhar para que as falhas aconteçam com menos frequência e, de preferência, que nem sejam percebidas pelos usuários.

Gerir corretamente a ocorrência de bugs nas aplicações de TI (bancos de dados, servidores, sistemas, equipamentos etc.) também é importante sob o ponto de vista da segurança da informação. Afinal, é nas falhas que os criminosos virtuais encontram vulnerabilidades para causar danos e roubos de dados corporativos.

4. Performance dos servidores

Os servidores são importantes elementos de uma operação de TI. É neles que ficam centralizados os recursos necessários para que softwares e hardwares estejam sempre em perfeito funcionamento.

O trabalho do time de TI é garantir que os servidores estejam 100% operantes, que não hajam falhas, vulnerabilidades e lentidão.

Para tal, é preciso colocar em prática métodos de gestão de servidores, dispor de ferramentas de monitoramento, entre outras ações.

Confiar a gestão de servidores a uma empresa especializada tem sido cada vez mais a escolha das empresas que entendem que segurança, alta performance e disponibilidade são vitais para o desempenho da TI.

5. Segurança dos dados

Nos últimos anos, a segurança dos dados tem sido uma das maiores preocupações dos gestores de TI. Isso porque a chamada “indústria hacker” tem se sofisticado tanto quanto a indústria de TI.

Trabalhar com monitoramento proativo, serviços de armazenamento na nuvem, os melhores equipamentos e uma equipe qualificada é importante para isso.

A contratação de serviços especializados de gestão da segurança dos dados também pode ser uma boa escolha.

6. Retorno sobre os investimentos (ROI)

À medida que a TI assume uma postura mais estratégica dentro das empresas, é preciso comprovar os retornos sobre os investimentos. É por isso que o chamado ROI tem sido uma importante métrica para os gestores de tecnologia nos últimos tempos.

Muitas vezes, é difícil comprovar a rentabilidade trazida por uma despesa com tecnologia. É por isso que a automação dos processos de TI tem avançado nos últimos tempos. Quanto mais automatizada estiver a operação, mais fácil é comprovar fatores como antecipação a falhas, resolução de problemas etc.

Assim, com ROI sob controle, fica mais fácil defender novos investimentos, ter voz ativa para decisões relacionadas à TI e aos negócios.

Quais são as métricas de TI mais importantes para a sua empresa?

Por fim, é importante pontuar que com este artigo não queremos esgotar todas as métricas de TI. As aqui citadas são as mais comuns em todos os negócios, no entanto, cada empresa e cada time de TI tem seus próprios indicadores-chave de desempenho.

O importante é que a gestão de TI tenha nas métricas um guia e que, também os profissionais da área, possam se guiar quanto aos seus próprios desempenhos. Dessa forma, tanto tecnicamente quanto do ponto de vista de gestão de pessoas, a tecnologia pode contribuir para a competitividade do negócio.

Como essas métricas de TI estão sendo acompanhadas no seu negócio? Deixe um comentário!